:: Diario de Pernambuco - Política, Brasil, Economia, Mundo, Vida Urbana, Esporte Total, Viver ::
Pernambuco.com

Diario de Pernambuco

  Enviar por e-mail Comentar Imprimir  
( Luiz Carlos dos Santos)
Quem tem crianças e mora no Recife, já ouviu falar de tio Lulão. Uma figura que consegue reunir várias faixas etárias com atividades que conquistam até marmanjos
Juliana Godoy // Especial para o Diario
juliana.godoy@diariodepernambuco.com.br


Para ser criança outra vez


Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press
"A energia que recebo das crianças me faz sentir como se tivesse 20 anos". É dessa maneira que o recreador de festas infantis, Luiz Carlos dos Santos, ou simplesmente Lulão, de 41 anos, se sente ao ver que conseguiu divertir os convidados mirins. Na profissão há mais de 20 anos, o também professor, não teve um começo fácil. Viveu em orfanato boa parte de sua infância e carregava o sonho de trabalhar em banco. "Queria ser um daqueles com terno e gravata". Mas foi por outra carreira que Santos conseguiu o sucesso. A de animador de festas infantis. Hoje, é uma das principais referências no assunto.

Curso de graduação, Lulão não tem. Apenas o ensino médio e um curso técnico de contabilidade, feito na época em que o banco era seu principal objetivo. Para atuar junto às crianças chegou a fazer várias das oficinas oferecidas naquele tempo. Nenhuma correspondeu às suas expectativas. Desistiu das outras que apareceram. "Começava achando que seria ótimo, mas à medida que as aulas iam se desenvolvendo percebia que eram limitadas. Aprendia mais no meu dia-a-dia de festas", confessa. O ponto forte era apenas o encontro com profissionais. "O bom ficava por conta da integração com os outros recreadores", conta Lulão.

A falta de especialização não fez com que o recreador ficasse para trás. Pelo contrário. Hoje, ele tem quase a semana toda fechada para festas. O trabalho começa já na quarta-feira e só acaba no domingo. Às vezes até com mais de um evento por dia. Foi em meio às crianças (ele ainda é professor de oficina de recreação da Escola Babymel e faz transporte escolar), que Lulão aprendeu direitinho como lidar com elas. "A característica principal de quem quer trabalhar como recreador é ter sensibilidade. Se você aprende isso, consegue todo o resto", avisa. Para os que querem seguir seus passos, ele lembra que é preciso também um certo dom. Com muita disposição, tio Lulão atendeu o Guia de Profissões, para a entrevista abaixo.

O que uma pessoa deve ter para ser um bom recreador?

Primeiro de tudo, sensibilidade. Um recreador tem que saber lidar com os limites da criança. Se não for assim, não vai existir a integração dela com a brincadeira e nem com o animador. Sendo dessa forma, elas levantam e vão embora. Além disso é preciso ter disponibilidade, ser alegre e estar preparado para o improviso. Vai que os convidados não gostam de um número seu. É preciso mudá-lo com rapidez para não perder a atenção deles.

É preciso alguma preparação específica?

Eu acredito que um bom recreador nasce com um dom para crianças. Mas de nada adianta você tê-lo, e não saber como lapidar. Quem quer trabalhar como animador pode procurar cursos de aperfeiçoamento que ajudem nessa lapidação. Hoje, eles são melhores do que os que eu fiz. O profissional precisa se desenvolver a cada dia, se não fica parado no tempo.

Em que áreas esse profissional pode atuar, além de festas infantis?

Várias. O recreador pode atuar em hotéis, colônia de férias e também dentro de projetos de ação social, como hospitais psiquiátricos, orfanatos e com jovens infratores. O leque é muito amplo. Cabe à pessoa decidir por qual direção vai o seu trabalho e investir nisso.

Tem idade para ser recreador?

Não. Mas quanto mais cedo essa descoberta acontecer, melhor. Porque a pessoa já começa a investir para entrar no mercado. O melhor sinal de que se está dentro é quando as crianças começam a pedir para você ficar ou voltar no próximo aniversário delas.

E como anda esse mercado aqui no estado?

A concorrência é grande, mas tem espaço para todo mundo. Basta ser bom. Se você fizer uma pesquisa vai encontrar gente oferecendo recreação por um preço baixíssimo, mas com um serviço sem qualidade. Enquanto outros têm preços mais altos, e mais eventos na agenda. Saber trabalhar com um pouco do lado pedagógico da coisa, ajuda a fazer a diferença.

A tradição conta na hora de conseguir um evento?

Conta sim. De uma maneira quase imperceptível, mas conta. Porque quem quer contratar um recreador, usa outras festas como referência.

Quanto um recreador pode tirar por mês? É preciso ter outra renda?

Se eu trabalhar de quarta a domingo, com umas duas festas por dia, consigo tirar mais de R$ 1 mil. É uma boa remuneração, se você for bom consegue trabalho por muito tempo, mas mesmo assim prefiro ter outras rendas. É uma garantia que tenho no final do mês, porque não é sempre que tem festa.

Qual conselho você dá para as pessoas que pretendem entrar nesse ramo?

O de sempre: ter simplicidade. De saber entrar e sair de um lugar da mesma maneira que entrou. Você hoje é o melhor, amanhã pode não ser. E procurar não se expor muito, não dizer sempre que é bom, o melhor. Deixa isso para as crianças. É melhor elas falarem por você, que elas digam aos pais se gostaram ou não do seu trabalho.

Para você, ser recreador é...

Rejuvenescer. É receber a energia das crianças e estar sempre jovem.

Serviço

Recreador Lulão
Fone: 8887-8759/ 3267-2528


    COMPARTILHE A NOTÍCIA Adicione ao Uêba Adicione ao Digg Adicione ao Google Bookmarks Adicione ao Technorati Adicione ao Windows Live Adicione ao Reddit Adicione ao Del.icio.us Adicione ao Facebook Adicione ao Yahoo! My Web Adicione ao StumbleUpon


Carregando Aguarde: carregando capa...
Atualizado em 13|10|2008 
Selecione a data do
Diario que você
deseja visualizar



Procurar