Diario de Pernambuco


Fuja das respostas clichês em entrevistas
Hugo Bispo Especial para o Diario hugobispo.pe@dabr.com.br
Recife, domingo, 1º de abril de 2012
Discurso pronto reduz a espontaneidade nas posições do candidato às perguntas feitas pelos recrutadores
Compartilhar no Facebook  Compartilhar no Twitter Enviar por e-mail Comente a matéria Imprimir


Imagem: BETO FRANÇA/DP
“Eu tenho muito a oferecer à empresa. Sou dinâmico, sei trabalhar em equipe e lido muito bem com pressão”. Apesar de, na teoria serem muito bonitas, as respostas desse tipo já viraram clichê nas entrevistas de emprego. O candidato acha que está dizendo o que o recrutador quer ouvir, mas na verdade não está. Não que ser dinâmico e saber lidar com pressão sejam características desprezadas pelos avaliadores. Porém, para ganhar pontos numa entrevista, é preciso ir mais além.

A principal razão dos candidatos dizerem com frequência as mesmas respostas durante uma seleção é que eles são indagados sempre com as mesmas perguntas. Para Rafaella Batista, consultora de RH da Lucre Recursos Humanos, essa prática leva os candidatos a já chegarem na entrevista com o discurso pronto, o que diminui consideravelmente a espontaneidade das réplicas. A consultora argumenta que fugir do óbvio não cabe apenas ao entrevistado, mas também ao entrevistador:

 “Se eu faço perguntas dirigidas como ‘você é dinâmico?’ é claro que as respostas serão sempre as mesmas, com o candidato afirmando que é. É preciso que o recrutador consiga as informações que procura de outras maneiras. Por exemplo, para descobrir o nível de dinamismo do entrevistado, você pode indagar como ele faz para conseguir cumprir as metas no trabalho”. Rafaella garante que quando o consultor de RH foge dos métodos tradicionais de entrevista os discurso dos pretendentes às vagas também passam a ser mais autênticos e diferentes entre si.

A psicóloga organizacional da Busccar Consultoria Luciana Chagas alerta que os aspirantes ao emprego precisam ter cuidado com os clichês. Afinal, respostas prontas nem sempre equivalem às reais características do candidato. E as mentiram não passam despercebidas pelos calejados profissionais de RH. “Não se pode esquecer que muitos testes contam também com avaliações psicológicas. Não adianta você dizer que é muito organizado e responsável, e o teste apontar o oposto disso”.

É preciso ir com calma em um recrutamento. As réplicas às questões do avaliador são importantes, porém a seleção não é composta apenas disso. Vai ser avaliado um conjunto de habilidades, tendo maior ou menor especificidade de acordo com o cargo almejado. Além disso, querer passar a imagem de perfeição além de soar artificial é desnecessário. “Cada profissão tem uma exigência específica de habilidadel”, diz Luciana.

Saiba mais

Fuja das respostas clichês na entrevista de emprego

Ao invés de responder às perguntas falando sobre sua personalidade e experiências pessoais, prefira contextualizar sua resposta para sua vida profissional.
Focar no lado pessoal pode dar ao entrevistador uma impressão que seu lado profissional é pouco desenvolvido.
Opte por contar situações pelas quais você já passou ou passa em seu ambiente de trabalho. Por exemplo, fale dos projetos que já liderou ou dos quais participou, relate como foi o impacto dele entre os clientes e os chefes.
Isso dará ao recrutador bem mais condições de avaliar se suas habilidades condizem com a vaga a que você almeja.
Para respostas mais originais e sinceras é importante se autoavaliar antes de uma seleção.
Para descobrir seus pontos fracos e fortes, procure lembrar dos feedback que recebeu dos colegas, chefes e clientes.

Fonte: Recrutadores de RH consultados consultados pelo Diario.






Galeria de imagens


VRUMLugar Certo
Edição do dia
Diario de Pernambuco - Clique na imagem para vê-la maior
Anteriores
Selecione a data do Diario que você deseja visualizar